quinta-feira, 11 de abril de 2019

Primeiro Treino de MTBO - Fazenda Hot Park

Olá, estimados orientistas.

Tivemos  a grata oportunidade de participar de um treino de orientação em mountain bike, MTBO na nomenclatura mais conhecida.

A atividade faz parte de um projeto bem maior, que começou efetivamente no início deste ano, quando a CBO realizou um curso específico para mapeadores e traçadores de percursos para MTBO com um instrutor da Federação Portuguesa de Orientação.
Os conhecimentos foram compartilhados e já podemos apreciar algumas iniciativas. No estado do Goiás, a primeira atividade oficial foi essa sobre a qual vamos tecer as próximas palavras.
A área escolhida foi a fazenda do Hot Park, na cidade de Rio Quente-GO. Uma área de cerrado típico e que já sediou uma etapa do CamBOr. O COABOM foi responsável pela organização, tendo como traçador  Alvim Pereira, que mapeou a área com Geraldo Paulino.
Ao todo foram 11 ciclistas dispostos a curtir esse treino. Alguns deles praticantes de mountain bike tendo o primeiro contato com a Orientação. Justamente esses ciclistas nos deram uma informação importante: antes do evento eles consideraram que os aproximadamente 18km de percurso não era uma distância motivadora, pois parecia algo muito curto para se realizar. Somente após entenderem que o MTB-O exige muito mais que a simples cadência no pedal é que tiveram a motivação para participar do treino.
Então, fica a dica para os organizadores dos próximos MTB-O, pois é muito importante conquistar ciclistas que ainda não conhecem as peculiaridades da Orientação. Já os orientistas e praticantes de corrida de aventura precisam de menos esforço para aderirem a essa modalidade. Eu, por exemplo, estou no grupo dos que praticam orientação pedestre e corrida de aventura!
Duas diferenças básicas podem ser notadas entre os mapas de Orientação pedestre e de MTB-O: a escala 1:15.000 e a simbologia para as trilhas e estradas, que indica a velocidade de progressão. Como o praticante deve ficar sempre junto da bicicleta, identificar quais as trilhas mais rápidas é essencial para se definir as melhores rotas.
O mapa com minhas escolhas mostra bem essa questão da velocidade do pedal.

Um outro detalhe que faz a diferença é o suporte para mapas. O que usei foi feito por mim mesmo, utilizando uma base para suporte de GPS a qual adaptei junto a uma prancha plástica bem leve. Existem opções já prontas para quem estiver disposto a pagar por elas. Ah, o ideal é que você tenha condições de girar seu mapa para mantê-lo orientado durante o pedal.
Quanto às rotas, dois pontos específicos merecem comentários. O primeiro deles é a rota que escolhi para alcançar o ponto 4. Observem as opções que existiam. Levei 14 minutos para realizar o objetivo.

Nessa pernada 3-4 planejei passar pelo ponto 14 e ao lado da largada (seta na cor rosa), mas errei a entrada de uma das trilhas e percorri alguns metros além do necessário. Uma outra excelente opção seria pegar a estrada a partir do ponto 3, conforme marcação em roxo:
Outra rota que merece comentários é a do ponto 8 para o ponto 9. O pensamento inicial do traçador provavelmente era que os competidores passassem pela trilha que corta os currais, pouco antes de chegar ao triângulo. Ocorre que ali seria bem mais lenta a passagem. Portanto, na prática, a melhor rota foi a que eu adotei, passando pela área de chegada.

Abaixo um vídeo mostrando em animação as minhas escolhas.


Boas rotas \o/
orientistaemrota